Os senhores da floresta. Ritos de iniciação dos rapazes macuas e lómuès

 

Índice:

  • Prefácio
  • Introdução
  • Ritos de passagem nas sociedades moçambicanas
  • Problemática histórico-antropológica
  • O modelo teórico
  • A metodologia seguida
  • As fontes
  • Plano do livro
  • Agradecimentos
  • Advertência

  • Parte I: A sociedade macua-lómuè
  • Capítulo I. Os macuas-lómuès
  • Capítulo II. A organização clânica
  • Capítulo III. A matrilinhagem e os segmentos da linhagem
  • Nota prévia
  • A matrilinhagem macua-lómuè
  • Os segmentos de linhagem e as transformações das unidades conjugais de produção entre 1938 e 1960
  • Capítulo IV. As unidades conjugais e as relações de aliança matrimonial
  • A família conjugal e a produção para o mercado nos anos 60 e primeira metade dos anos 70
  • A família alargada
  • Capítulo V. Chefes menores e chefes maiores
  • A hierarquia chefal na estrutura linhageira e na chefatura
  • O mwene da linhagem e o mwene da chefatura
  • Apwiamwene
  • Sucessão e entronização do mwene e da pwiamwene
  • Capítulo VI. Evolução das estruturas políticas territoriais
  • A chefatura mais antiga
  • A grande chefatura: constelação de pequenas chefaturas
  • Capítulo VII. Cativos da linhagem e escravos para exportação
  • Os cativos e a reprodução social
  • O tráfico: homens e mulheres vendidos como escravos para o mundo exterior
  • O tráfico de escravos e a reestruturação política do território macua-lómuè: grandes chefaturas e novas identidades étnicas

  • Parte II: Da esteira da mãe ao alpendre do tio (Introdução geral aos ritos de iniciação dos rapazes macuas e lómuès)
  • Capítulo I. Aspectos gerais
  • O nome da crisálida
  • Da periodicidade
  • Da época do ano, duração e início das cerimónias
  • A organização política e social das iniciações
  • Os iniciandos
  • Preparativos e cerimónias preliminares
  • Os participantes
  • Os "remédios" da iniciação
  • Tambores, danças e máscaras da iniciação
  • Tambores da iniciação
  • Danças da iniciação
  • Máscaras da iniciação
  • Capítulo II. Ritos de separação
  • Os primeiros ritos
  • O corte do cabelo
  • Ritos propiciatórios aos antepassados
  • Oruma: convocação dos jovens
  • A dança do mwanamá
  • Saída da aldeia para o local da circuncisão
  • Capítulo III. Os senhores da floresta
  • A. Primeira fase da reclusão
  • Othakwani
  • Onipattani
  • A faca da circuncisão
  • O pagamento do "remédio"
  • Olyiha masoma
  • Cabo Delgado
  • Sul da Província do Niassa
  • Macuana Central
  • Alta Zambézia
  • Namuhakwani
  • Os alùkhu
  • Os mikho
  • Os tabus relativos à circuncisão
  • O primeiro banho na floresta
  • A refeição ritual e os "remédios" para dar filhos
  • O rito do muttemulelo
  • B. Segunda fase de reclusão
  • O ephivi
  • O novo nome
  • As instruções e os conselhos
  • Os wahala
  • Os ilema
  • Os mestres dos conselhos e das instruções
  • Os ikano
  • Capítulo IV. Ritos de agregação
  • Preparativos na aldeia
  • Preparativos na floresta e regresso à aldeia
  • Cerimónia do fogo
  • Cerimónia da lança
  • Cerimónia do tronco
  • Cerimónia do banho
  • Último rito da cauda dos "remédios"
  • Mòroshosho ou nkangala
  • O cortejo
  • Últimas cerimónias públicas
  • Regresso à casa da mãe e ritos específicos no etthoko
  • Cerimónia da refeição

  • Parte III. Dos espaços sócio-rituais ao simbolismo zoomórfico
  • Capítulo I. Os espaços sócio-rituais
  • Capítulo II. O fogo sagrado
  • Capítulo III. Máscaras da iniciação
  • Capítulo IV. Circuncisão versus menstruação
  • Capítulo V. Pureza e impureza rituais
  • Capítulo VI. A simbologia das cores
  • Capítulo VII. O bestiário dos ritos

  • Breves considerações finais
  • Fundo documental
  • Siglas e abreviaturas
  • Bibliografia
  • Bibliografia sobre os macuas-lómuès
  • Fontes escritas não publicadas
  • Fontes escritas publicadas
  • Bibliografia sobre os ritos de iniciação nas áreas culturais vizinhas dos macuas-lómuès
  • Bibliografia sobre os ritos de passagem em geral e os ritos de iniciação da puberdade em particular
  • Bibliografia de suporte teórico
  • Bibliografia complementar
  • Revistas consultadas
  • Fonte das figuras
  • Glossário
  • Nota prévia
  • Glossário
  • Índice de figuras, mapas e quadros
  • Índice dos autores citados

Referência bibliográfica do livro:

>> Exportação para EndNote, ProCite

>> Exportação em Formato texto

Se está registado importe

Versão web


MEDEIROS, Eduardo. 2007. Os senhores da floresta. Ritos de iniciação dos rapazes macuas e lómuès. Colecção Estudos Africanos. Porto: Campo das Letras - Editores, S.A.

 

Prefácio / Introdução

A obra que se segue é uma referência fundamental para a compreensão da temática dos ritos de iniciação das populações macuas e lómuès do Norte de Moçambique. Para além disso, devo realçar o facto de o Professor Eduardo da Conceição Medeiros ter colectado, analisado, sistematizado e explicado informação que corria o risco de se perder na voragem oportunista dos novos tempos, que primaram por branquear a história, a cultura e a memória de tradições moçambicanas ancestrais.
A tese de doutoramento de Eduardo Medeiros, construída religiosamente ao longo de vários anos de trabalho de campo antropológico, é um documento etnográfico de valor incalculável para o entendimento das sociedades em estudo, num período crucial da vida moçambicana na sua dolorosa transição colonial para um Estado soberano.
O autor teve o bom senso, a capacidade intelectual e o sentido ético de doar ao Arquivo Histórico Moçambicano um acervo documental único, para benefício de outros investigadores, para salvaguarda da memória colectiva e para enriquecimento do património nacional. Tal atitude contrasta com oportunismos conjunturais baseados em inconfessáveis interesses pessoais que penalizam a comunidade e o bem comum.
Em paralelo com o trabalho de maior fôlego, teve ainda o autor a possibilidade de publicar vários textos sobre escravatura, povoamento, ordenamentos políticos, família e parentesco, assim como opúsculos bibliográficos sobre as sociedades em causa. Mais uma vez, trabalho para a comunidade académica e para todos os interessados nas temáticas norte-moçambicanas.
Passemos a Os Senhores da Floresta. A obra sistematiza-se em cinco partes, constituídas por vários capítulos, que nos ajudam de maneira estruturada a seguir o pensamento do autor e o modo como aborda a problemática dos ritos de iniciação masculinos macuas-lómuès, em sociedades marcadas pelo seu perfil matrilinear.
Apesar das vicissitudes por que passou o processo dos ritos de iniciação (tempo colonial, período de luta pela independência, guerra civil, período revolucionário da soberania e a fase última de consolidação da paz), Eduardo Medeiros apresenta uma análise diacrónica da forma e da substância dos "ritos de passagem" dos adolescentes, enfatizando o significado dos cerimoniais: "A iniciação constituía, antes de mais, um ensinamento progressivo destinado a familiarizar o jovem com as significações do seu próprio corpo chegado à maturidade e com a significação que ela deveria dar ao universo que a envolvia."
Assim, a iniciação era a prova social da identidade do homem adulto, pronto para ser produtor, caçador, guerreiro, marido e pai. Por essa razão, "os ritos de iniciação eram indispensáveis ao normal funcionamento das sociedade macua-lómuè (…) por isso podem entender-se como cursos de educação cívica, cujo ensino tinha como objectivo a aprendizagem das normas que regulam a vida social (…). Nesta ritualidade, entendida como um processo formativo, apareciam momentos que eram de transmissão de saber, de conhecimento tecnológico e que era um primeiro momento de vivência da estratificação social".
A obra que se apresenta é, pois, uma referência obrigatória para estudantes, investigadores, especialistas e outros interessados. Nela se podem apreender os valores e as normas de sociedades tradicionais, hoje em processo de reconstituição e de aculturação, e que nos ensinam a compreender as relações de poder, os sistemas de parentesco, a estrutura social e o fio condutor milenar das sociedades africanas. Sociedades em que muito do seu património intangível está em vias de desaparecimento, por força das ideologias, das religiões e do pragmatismo político contemporâneo.
Não quero deixar de referir a riqueza extraordinária do Fundo Documental e do Glossário, instrumentos de apoio para outros investigadores, o que demonstra, mais uma vez, a generosidade intelectual de Eduardo Medeiros.
Esta investigação, apesar de se ter prolongado ao longo dos anos, foi uma verdadeira "pesquisa de urgência", designação atribuída a trabalhos antropológicos que abordam temas, situações, práticas e comportamentos em processo de mudança galopante ou em vias de extinção. O crédito desta salvaguarda vai todo para Eduardo Medeiros.
Colegas há cerca de dez anos, tenho tido oportunidade de conviver académica e pessoalmente com o autor, num companheirismo saudável de docência, investigação e reflexão na Universidade de Évora. Aqui temos partilhado disciplinas comuns (Antropologia I, Antropologia II, Antropologia Cultural, Antropologia da Arte, Antropologia do Espaço), preocupações comuns, interesses comuns.
Nesse sentido, sinto-me privilegiado em tecer estas considerações sobre Os Senhores da Floresta e o seu autor, pela convicção que tenho no sucesso deste livro, na sua utilidade e interesse.
Portugal, potência colonial, não aproveitou a possibilidade de alargar e aprofundar outros estudos antropológicos em Moçambique, quando apenas nos vem à ideia a investigação de Jorge Dias sobre os Macondes. Sem desprimor para muitos padres, administradores, missionários e militares anónimos que realizaram recolhas etnográficas de valor.
Assim, Os Senhores da Floresta é um texto de leitura obrigatória e de reflexão permanente para todos aqueles que se interessam pela cultura moçambicana.

Francisco Martins Ramos, antrolólogo

Universidade de Évora

معهد الدراسات الافريقية جامعة بورطو

اتصل بنا

Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto
Via panorâmica, s/n
4150-564 Porto
Portugal

+351 22 607 71 41
ceaup@letras.up.pt